REDE CHOQUE apresenta: Itamara Ribeiro

00 - Foto da Artista

 

Itamara Ribeiro é a artista apresentada nessa semana, dentro do programa de parcerias da Rede Choque, com destaque para nossos parceiros de Florianópolis: o Armazém e Coletivo Elza. A curadora convidada para nos apresentar as artistas do Armazém e Coletivo Elza é Juliana Crispe.

 

Itamara Ribeiro pesquisa as dobraduras do desenho, por meio da colagem e do bordado. O trabalho de Itamara registra a figura feminina em tarefas cotidianas, como os atos de despir-se, abaixar-se, sentar-se, ou, simplesmente, de existir. Com seus traços rápidos, ela firma a fugacidade de ações que costumam passar despercebidas. O seu trabalho é inspirado em lembranças do passado, quando a artista via a mãe seguir moldes de revistas e transformar linhas, agulhas, botões e tecidos em artefatos.

Três elementos estão sempre presentes em seus trabalhos: o desenho da figura da mulher, o suporte feito de folhas de revistas antigas e o bordado, que, juntos, constituem um fio condutor.

Para a artista a série de seus trabalhos em que o bordado e a manualidade vem como força e diretriz traz sensações ambíguas, ao mesmo tempo em que é algo que lhe transborda afeto, também lhe traz revolta. Os trabalhos falam sobre processos cáusticos de como o patriarcado ainda vê as mulheres e suas obrigações com os afazeres domésticos, carcaças sociais ainda postas às mulheres. Itamara dá ironia ao bordado como símbolo de zelo em um ambiente que relacionava a decoração do lar à construção estereotipada do ideal feminino, mas também fala sobre respeito a sua ancestralidade, de uma tarefa passada pelas gerações familiares, da avó para a mãe, da mãe para as filhas.

Se no contemporâneo essas técnicas como bordado, renda, costura – ditas estritamente relacionadas ao universo feminino – são incorporadas como reconstrução simbólica, elas também acionam questões de gêneros, raças, etnias e classes sociais. No trabalho de Itamara Ribeiro o bordado está relacionado a uma tradição, mas também a uma resistência em não se encaixar em moldes, seu ato de bordar problematiza as estruturas do fazer a partir das imperfeições de um bordado sem primor técnico, que fala também sobre a liberdade de se construir maneiras outras, que perpassam pelas alteridades coletivas e individuais das mulheres.

Seus desenhos desejam corroborar com as subjetivações de cada corpo bem como abrir frestas de se ver nesses corpos outros, fragmentados, acéfalos, desconstroem estereótipos, mostram-se em movimentos ligados ao cotidiano e soltando-se das amarras, proliferando amplitudes desses corpos em linhas de fuga e de resistência. As obras de Itamara também se irradiam para o ambiente urbano e nos falam sobre como o dentro pode expandir-se para o fora, criando espaços de tensões, ao mesmo tempo em que declamam poesia no ato de existir.

Assim, as obras de Itamara Ribeiro têm na feitura de bordar e desenhar transposições de barreiras, a artista desdobra linhas transformando-as em matérias móveis, linhas não fixas, fluxos habitáveis, que desborda as funções rígidas e opressoras dos sistemas, em dimensões informes que reafirmam modos de existências, em pluralidades que versam sobre o feminino e os feminismos, e que atuam na força dos desejos e das mudanças.

 

 

01 - .

Avenida Abrahão Caram – Belo Horizonte, 2018. Desenho e bordado sobre parede

 

 

02 - roupa suja não se lava em casa .

Avenida Abrahão Caram – Belo Horizonte, 2019. Interferência bordada Ponto cruz em tela de arame

 

 

03 - .

Avenida Antonio Carlos – Belo Horizonte, 2019. Bordado em parede

 

 

04 -

Avenida José Dias Bicalho – Belo Horizonte, 2019. Bordado em parede

 

 

05 - (Fundo) De Bandeja .

(Fundo) de Bandeja, 2018. Desenho e bordado sobre folha de revista, 21 x 29 cm

 

 

06 - Album de Familia .

Álbum de família, 2017. Desenho e bordado sobre folha de revista, 21 x 29 cm

 

 

07 - Agonia .

Agonia, desenho e bordado sobre folha de revista, 21 x 29 cm

 

 

 

 

08 - Soberbo Lençol .

Soberbo lençol, desenho e bordado sobre folha de revista, 21 x 29 cm

 

 

09 - Afaste-se .

Afaste-se, desenho e bordado sobre folha de revista, 21 x 29 cm

 

 

Série Linha do tempo, 2017

As obras aqui apresentadas na série Linha do Tempo, participaram da exposição de mesmo nome, realizada em 2017, na Fundação Cultural Badesc em Florianópolis, como exposição individual de Itamara Ribeiro, com curadoria de Juliana Crispe. Na abertura da exposição, também foi lançado um livro de mesmo nome, impresso em Canvas, com as reproduções das obras, bordados sobre as páginas e com textos da artista. No mesmo ano, algumas de suas obras ganharam o formato de cartaz, impresso em piguimento mineral em papel de algodão em tamanho A3, lançados pelo Projeto Armazém em suas feiras e exposições.

 

 

10 - Renda-se .

Renda-se, 2017. Desenho e bordado sobre folha de revista, 21 x 29 cm. Obra presente no acervo do Projeto Armazém

 

 

11 - Feito a mão .

Desenho e bordado sobre folha de revista, 21 x 29 cm. Obras disponíveis no Acervo Armazém

 

 

12 - A mulher e o Lar .

A Mulher e o Lar, desenho e bordado sobre folha de revista, 21 x 29 cm. Obras disponíveis no Acervo Armazém

 

 

13 - Foto da Artista

Fotos da artistas nas ações no espaço urbano, Processo 2018

 

 

14 - Foto da Artista projeto TAU

Processo 2018

 

Itamara Ribeiro, (1982, RJ Brasil) vive e trabalha atualmente em Belo Horizonte/MG.  É artista visual formada pela Universidade do Estado de Santa Catarina. Sua pesquisa artística na linha de processo de criação em Poéticas Visuais atua nas possibilidades do desenho através de colagem e bordado com temas referentes ao feminino e aos feminismos.

 

 

15 - Foto da Artsita foto ceres canedo

Processo 2018 / Foto Ceres Canedo.