REDE CHOQUE apresenta: Monique Cavalcanti

0 - auto retrato

 

Monique Cavalcanti é a artista apresentada nessa semana, dentro do programa de parcerias da Rede Choque, com destaque para nossos parceiros de Florianópolis: o Armazém e Coletivo Elza. A curadora convidada para nos apresentar as artistas do Armazém e Coletivo Elza é Juliana Crispe.

 

A artista Monique Cavalcanti, mais conhecida como Gugie, é uma das importantes personalidades do movimento da arte urbana e do graffiti na cidade de Florianópolis. Ao exercer o protagonismo da mulher em um espaço majoritariamente masculino, ao longo dos anos a artista recebe reconhecimento através de suas produções e também ações.

 

Gugie foi idealizadora e uma das fundadoras do Agenda – Centro de Artes Urbanas. Inaugurado em 2017, esse espaço desenvolveu papel fundamental na cidade para a inserção de práticas e ensino da arte urbana enquanto esteve em sua administração. O olhar atendo de Gugie como arte educadora propiciou ao espaço, para além da venda de materiais artísticos específicos, um lugar de acolhimento e convivência de famílias, inserindo na cultura de distintas camadas sociais uma multiplicidade de experiências e expressões artísticas que proclamam a rua como espaço para suas manifestações e diálogos.

 

Como artista multimídia desenvolve sua poética em diferentes linguagens, formatos e suportes: muros, telas, performance e desenho digital. Identifica-se com o realismo, nas tipografias e nos personagens de seus graffitis, reverberando em sua produção elementos do cotidiano e de sua vida. Seus trabalhos abordam narrativas visuais sobre relacionamentos inter e intrapessoais, refletindo sobre convivência social, a relação consigo e com o outro. Propõe com suas criações uma estética relacional, Gugie vê o contato e interação com suas obras como forças que propagam sua produção, aspirando pelas trocas com o público uma ativação que ela chama de sensibilidade coletiva. Nas palavras da artista: como pessoa negra, busco na arte produzida nas ruas um espaço de diálogo e ocupação, representatividade, fortalecendo visibilidades e, sobretudo, apostando em uma estética da autoestima.

 

Percebemos assim que as multifunções da mulher na contemporaneidade fazem parte indissociável da produção de Gugie, que se coloca enquanto artista como mulher, negra e mãe. Diante dessas representações presentes em seus trabalhos e que dizem de suas vivências, uma das obras em que a artista fala do orgulho de assinar é o mural instalado no centro da cidade de Florianópolis que tem como protagonista Antonieta de Barros, a primeira mulher negra eleita deputada estadual em todo país e que ficou reconhecida por sua luta pela educação para todos. Juntamente de Gugie, o painel tem também autoria de Tuane Ferreira e Thiago Valdi. Segundo a artista é emocionante. Toda a história dela é inspiradora. De certa forma, e modéstia à parte, me vejo muito nela, por ser negra, por ser mulher, e por estar executando esse trabalho em uma área que é predominantemente de homens. É inspirador para minha história, para continuar o meu trabalho e prosperando no meu sonho. E eu gosto muito de trabalhar com arte educação, acho que hoje o artista não é só uma linguagem, ele traz na arte toda uma vivência. O meu eu artístico é mulher, é negra, e é mãe.

 

O que vemos nos trabalhos de Gugie é um desejo de luta pelos espaços, a artista critica os mecanismos de segregação urbana e do campo artístico, declama pelo espaço da mulher e por sua produção, realiza instrumentos de resistência que trazem visibilidades sensíveis para e sobre a cidade em seus agenciamentos e representações sociais.

 

 

1A - Gugie

Gugie, Presença, 2020. Técnicas de spray. Mural localizado na saída do bairro da Lagoa da Conceição.

 

1B - Gugie

 

 

1C - Gugie

 

 

 

2 A - Gugie

Mart’nália, 2020. Técnicas de spray. Mural de homenagem à Mart’nália feito na abertura do espaço cultural Tum Cult.

 

2 B - Gugie

 

 

2 C - Gugie

 

 

 

3 A - Gugie

Antoniena de Barros, 2019. Técnicas de spray. Homenagem à Antonieta de Barros feita em coautoria com Tuane Ferreira e Thiago Valdi

 

3 B - Gugie

 

 

 

4 A - Gugie

Duda, 2015. Técnicas de spray. Mural feito na rua Ivo Silveira, no bairro do Estreito, em Florianópolis.

 

4

 

 

 

5 A

Cria mundo, 2018. Técnicas de spray. Mural feito numa clínica de psicologia em Florianópolis

 

5 B - Gugie

 

 

 

6

Construção, 2019. Ilustração digital. Tamanhos Variados Obra presente no acervo do Projeto Armazém

 

 

7

Sem título, 2019. Ilustração digital. Tamanhos Variados, Obra presente no acervo do Projeto Armazém.

 

 

8

Mapa, 2019. Ilustração digital. Tamanhos Variados Obra presente no acervo do Projeto Armazém

 

 

9

Arte, logo existo. Existo, logo arte, 2019. Performance realizada no espaço Lindof Bel do Centro Integrado de Cultura (CIC), em Florianópolis, durante a exposição Esculturas Itinerantes.

 

 

9A

Obra de arte, 2019. Performance selecionada para participar da Bienal Black Brazil Art no Museu Cruz e Souza.

 

MONIQUE CAVALCANTI (Gugie), natural de Brasília, DF, nasceu no dia 26 de Janeiro de 1993. Atualmente reside em Florianópolis, onde também desenvolve seus trabalhos. Formou-se em Eletrotécnica pelo IFSC em 2012 e é bacharel em Artes Visuais pelo Centro de Artes da UDESC.

Desenvolve oficinas e palestras sobre arte, graffiti e distintas culturalidades, destacando as incursões já realizadas no Núcleo de Arte e Educação (2014-2017), UDESC (2015), IFSC (2016) e Senac (2016). Também é fundadora do Centro de Artes Urbanas – Agenda (2017). Possui diversos murais pelas cidades de Brasília, Rio de Janeiro e Florianópolis, nesta última destacando a homenagem a Antonieta de Barros (2019), no centro da cidade, em autoria com Tuane Ferreira e Valdi.

 Em 2019 participou da 1ª Bienal Black Brazil Art, com a performance “Obra de Arte” no Museu Histórico de Santa Catarina. No mesmo ano, através da curadoria de Rui Amaral protagonizou o cenário do programa “Encontro com Fátima Bernardes”, na TV Globo.

 

 

10

Obra de arte, 2019. Performance selecionada para participar da Bienal Black Brazil Art no Museu Cruz e Souza.